Fevereiro 26, 2024
Slider

Sindicato percorre agências de Caxias para protestar contra demissões no Itaú

Nesta terça-feira, 28 de novembro, o Sindicato dos Bancários da Baixada Fluminense esteve em agências do Banco Itaú de Duque de Caxias para protestar contra as demissões e o fechamento de postos de trabalho.

Foi mais um Dia de Luta do Banco Itaú, promovido pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo (Fetraf RJ/ES), com atos ocorrendo nas regiões dos sindicatos filiados à entidade.

Uma das principais preocupações das diretoras e diretores do Sindicato é que o fechamento de agências, e as consequentes demissões, afetam os funcionários do banco. E, também, afetam os clientes, já que, com menos trabalhadores bancários, mais filas. 

O Sindicato enfatizou a importância de preservar os postos de trabalho e garantir a estabilidade dos profissionais. Foram entregues informativos que mostram números e dados alarmantes do que vem ocorrendo no setor bancário.

Além disso, os dirigentes sindicais conversaram com os funcionários e clientes presentes nas agências visitadas, se colocando à disposição dos trabalhadores bancários.

Ao menor sinal de assédio ou abuso, denuncie!

Os casos de assédio moral também motivaram as manifestações realizadas nas agências da região.

LUCROS EXORBITANTES

O Itaú Unibanco obteve lucro líquido recorrente gerencial – que exclui efeitos extraordinários – de R$ 26,217 bilhões nos nove primeiros meses de 2023, montante 13,4% maior em relação ao mesmo período de 2022. Apenas no terceiro trimestre, o resultado foi de R$ 9,04 bilhões, um crescimento de 3,4%, frente aos R$ 8,74 bilhões registrados nos três meses imediatamente anteriores.

Mesmo com esses resultados, o banco fechou 1.082 postos de trabalho em 12 meses. No trimestre, foram 881 vagas extintas. O grupo fechou 180 agências físicas no Brasil em 12 meses e 31 em três meses. Nesse mês, o Itaú tinha 2.608 unidades no país.

QUEM LUCRA, NÃO DEMITE!

*confira mais fotos em nossas redes sociais