Maio 23, 2022
Slider

Desigualdade social se combate com bancos públicos fortes

A terceira das três oficinas que a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) organizou para o Fórum Social Mundial 2022, que acontece entre os dias 1º e 6 de maio, com eventos presenciais na Cidade do México, atividades híbridas e outras totalmente online, acontece na quinta-feira (5), às 10 horas, com o tema desigualdade social se combate com bancos públicos fortes.

“A oficina nos dará uma ampla visão sobre o papel fundamental dos bancos públicos para a inclusão da população mais pobre do país na economia. Poderemos no final das apresentações ver a importância dos bancos públicos de desenvolvimento na geração de emprego e renda”, convidou a diretora executiva e coordenadora de Bancos Públicos da Contraf-CUT, Eliana Brasil.

Para se inscrever, clique aqui.

Veja a programação completa do evento:

  • 10h – Abertura: Eliana Brasil e Rafael Zanon (Contraf/CUT).
  • 10h20 – Apresentação do Dieese sobre bancos públicos, por Fernando Amorim Teixeira, técnico do Dieese, doutorando em Economia pela Universidade Federal Fluminense (PPGE/UFF) e Professor Substituto do Instituto de Relações Internacionais e Defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IRID/UFRJ).
  • 10h40 – Painel 1. Rita Serrano: está no terceiro mandato como representante eleita dos empregados no Conselho de Administração da Caixa Federal. Mestra em Administração Pública. Coordena o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. Autora de vários livros e artigos, entre eles, Caixa, Banco dos brasileiros (2018); coautora de O futuro é público (2020) e de A era digital e o trabalho bancário (2021).
  • 11h00 – Painel 2. Arthur Koblitz, graduado e doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, presidente da AFBNDES, membro titular do Conselho de Administração do BNDES.
  • 11h20 – Painel 3. Débora Cristina Fonseca, funcionária do Banco do Brasil, bacharel em Comunicação Social, tecnóloga em Gestão de Recursos Humanos, MBA em Gestão Bancária e Finanças Corporativas, CPA 10 e CPA 20, pós-graduada em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento, fez curso para Conselheira de Administração pelo IBGC.
  • Perguntas.
  • Considerações Finais.

Para finalizar o evento, Rita Serrano vai falar sobre seu livro O futuro é público. A obra possui 248 páginas e foi baseada na pesquisa do Transnational Institute (TNI), centro de estudos em democracia e sustentabilidade sediado na Holanda.

O estudo do TNI revela que mais de 1,4 mil serviços foram reestatizados no mundo todo entre 2000 e 2017. Na maioria dos casos, a decisão de retornar esses serviços ao controle estatal se deu após a administração pela inciativa privada se mostrar problemática e ineficaz. “Esse denso trabalho traduz em fatos e números que privatizar os bens públicos não é a solução. Muito pelo contrário. A privatização tem gerado uma série de distorções e prejudicado sobremaneira a população mais carente, que é a que mais precisa da rede de proteção do Estado”, afirma a Rita Serrano.

O livro é gratuito e está disponível na versão digital aqui.

Fonte: Contraf-CUT