Fevereiro 02, 2023
Slider

Debate sobre livro “A Privataria Tucana” lota Sindicato de São Paulo

Cerca de 600 pessoas lotaram os dois auditórios do Sindicato dos Bancários de São Paulo na quarta-feira (21), durante o lançamento da segunda edição do livro A Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Júnior. O evento, transmitido via webtv, também teve recorde de público na internet, com pelo menos 2.280 acessos e mais de 360 mensagens enviadas via e-mail. Além disso, foram vendidos 180 exemplares da publicação.
Clique aqui para ver imagens do evento.

A primeira edição do livro, que denuncia os prejuízos causados ao país pelas privatizações do governo FHC e quem lucrou com isso, foi lançada em 9 de dezembro e teve sua tiragem de 15 mil exemplares esgotada em pouco mais de 24 horas. O sucesso estrondoso de vendas foi acompanhado por um silêncio surpreendente da grande mídia.

“Quando peguei a Veja e vi que não tinha nada, percebi que demos um nocaute na grande imprensa, na blindagem que têm os tucanos”, ironizou Amaury Ribeiro Júnior durante o debate, que contou ainda com a presença do jornalista e autor do blog Conversa Afiada, Paulo Henrique Amorim, e do deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), que horas antes havia protocolado na Câmara o pedido da CPI da Pirataria com 185 assinaturas, ultrapassando o mínimo de 171 assinaturas necessárias.

O debate foi mediado por Renata Mielli, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, e pela jornalista Maria Inês Nassif, da agência Carta Maior.

A presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, abriu o evento. Ela lembrou que o Sindicato e a CUT sempre atuaram contra as privatizações promovidas pelo PSDB na década de 1990, em especial contra a venda dos bancos públicos. “Lutamos muito contra a venda das estatais. Ficamos mais de seis anos tentando evitar a privatização do Banespa porque sabíamos que precisávamos de um banco público para fomentar o desenvolvimento do Estado.”

CPI

O deputado Protógenes Queiroz, delegado licenciado da Polícia Federal que comandou a Operação Satiagraha, conseguiu em apenas oito dias ultrapassar o número de assinaturas necessárias para o pedido de CPI que investigará as denúncias contidas no livro de Amaury. A luta agora, disse o parlamentar, é para que a CPI seja aprovada. Segundo ele, contará com o apoio do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

“A grande luta agora é para instalar a CPI, e essa luta começa em fevereiro com o retorno dos trabalhos legislativos. (…) Marco Maia me disse que, se eu conseguisse o quorum mínimo, a CPI seria instalada”, relatou Protógenes, acrescentando que a opinião pública tem de se manifestar.

Amaury afirmou que, se a CPI for instalada, o livro ficará pequeno diante do que será desvendado. “E isso vai chegar nos meios de comunicação. É por isso que eles estão com medo.”

Blogs

Amaury e Protógenes ressaltaram o papel dos blogueiros e das redes sociais na divulgação do livro. “Foi o Conversa Afiada que deu o tom, o peso que a obra precisava”, disse o deputado. “O trabalho das redes sociais na divulgação do livro foi fundamental”, destacou Amaury.

Foram os blogs, informou Protógenes, que o incentivaram a pedir a CPI. “Quando eu comecei a ler nos blogs e a acompanhar as pressões que esse jornalista (Amaury) estava sofrendo, pensei que tinha de falar pro mundo que ele não estava sozinho. Que ele detém informações, mas não é só ele, e que elas são complemementares a outras informações que muita gente tem. Foi então que começamos a desenvolver o trabalho para a instalação da CPI da privataria, e isso teve de ser rápido porque senão Amaury entraria pras estatísticas”, afirmou.

Jornalismo vivo

“Esse livro é um registro de que a atividade de repórter está viva. (…) De que o jornalismo existe e que não é esse jornalismo do ‘sim senhor’, do abaixar a cabeça, do jornalismo vira-lata que a gente vê no PIG (Partido da Imprensa Golpista)”, afirmou Paulo Henrique Amorim.

No início de sua fala, o jornalista brincou que tinha quatro convidados especiais para a ocasião e que, quando eles chegassem, as pessoas da primeira fila teriam que ceder seus lugares. “Peço a compreensão de vocês porque convidei a Eliane Cantañede, Hélio Gaspari, Judith Brito (Folha de São Paulo) e Ali Kamel (Globo)”, disse, arrancando risos da plateia.

Amorim também ressaltou que a sociedade deve lutar pela instalação da CPI. “Temos a tarefa, como blogueiros e cidadãos, de fazer com que essa CPI se instale. Ela é a continuação da Satiagraha”. E acrescentou: “Esta foi a maior roubalheira entre as privatizações da América Latina”.

Mas enquanto em países como Bolívia, México e Argentina, onde os responsáveis pelas privatizações foram presos ou tiveram de fugir para não serem presos, “no Brasil o Fernando Henrique Cardoso é levado a sério e cobra R$ 50 mil por palestra”, ironizou.

Fonte: Seeb São Paulo