Fevereiro 08, 2023
Slider

Telegramas revelam que Brasil financiou ditadura de Pinochet no Chile

O Brasil forneceu um amplo suporte econômico e diplomático aos primeiros anos da ditadura do general Augusto Pinochet no Chile.

 

É o que revela uma série de 266 telegramas confidenciais produzidos por diplomatas brasileiros entre 1973 e 1976.

 

Os telegramas sigilosos foram enviados e recebidos pela Embaixada do Brasil em Santiago do Chile e liberados pelo Itamaraty à Folha, que os divulga no site do projeto “Folha Transparência”.

 

Os documentos indicam que a ajuda brasileira veio logo após o golpe liderado por Pinochet (1915-2006) em 11 de setembro de 1973.

 

Em novembro daquele ano, o Brasil, também governado por um ditador, Emílio Médici (1905-1985), liberou US$ 50 milhões ao Banco Central chileno para estimular exportações.

 

O socorro veio a pedido do Chile, que disse, por meio da chancelaria, se encontrar em “grave situação”.

 

O Brasil abriu linhas de financiamento na Cacex, a Carteira de Crédito para Exportação do Banco do Brasil, para empresários interessados em vender para o Chile, estimulou a venda de açúcar, ônibus, caminhões e fragatas e acelerou a aquisição de cobre das jazidas chilenas.

 

De tal forma que passou, em 1976, ao posto de maior comprador externo de cobre, desbancando a Alemanha.

 

“É momento de concentrarmos aqui nossas compras de cobre. Isso nos dará aqui uma influência e uma expressão desvinculadas de quem governe o país”, orientou o embaixador brasileiro.

 

No campo diplomático, o Brasil, a pedido da Junta Militar chilena, ocupou o status oficial de “protetor dos interesses do Chile” no México, na Polônia e na Iugoslávia.

 

Como esses países condenaram o golpe chileno, o Brasil assumiu a tarefa de representar o regime de Pinochet desde negociar a chegada de presos políticos a quitar compromissos do serviço diplomático.

 

TROCA DE FAVORES

Os telegramas também revelam o socorro que o Brasil deu ao Chile durante discussões na Organização dos Estados Americanos a propósito da situação dos direitos humanos no Chile -relatório de agosto contou 3.225 mortos ou desaparecidos políticos.

 

Nos foros internacionais, a diplomacia brasileira se absteve ou votou com o Chile em resoluções que pudessem constranger Pinochet.

 

“O projeto inicial bastante forte de moção condenatória do governo chileno foi ‘aguado’ por iniciativa das delegações brasileira e argentina”, diz um telegrama de 1975 sobre sessão no Parlamento Latino-Americano.

 

Em contrapartida, Chile apoiou inúmeros candidatos brasileiros a cargos em organismos internacionais.

 

Os telegramas descrevem ainda como o Brasil operou para financiar aquisição, pelo Chile, de um sistema completo de comunicações para a Interpol do Chile, cujo objetivo é capturar foragidos da Justiça de outros países.

 

Documentos liberados pelos EUA dizem que uma das principais ajudas do Brasil à Operação Condor, um plano dos países latino-americanos para eliminar opositores políticos, foi montar uma rede de telecomunicações.

 

Fonte: Folha de S.Paulo